segunda-feira, dezembro 17, 2007

MinervaCoimbra no Diário As Beiras





Isabel Garcia
A paixão pelos livros
A MinervaCoimbra começou pela área universitária, mas neste momento é líder em Portugal no sector da comunicação.

Isabel Garcia partilha a gerência da editora MinervaCoimbra com o marido, José Alberto Garcia.
O gosto pelos livros foi sempre a paixão de ambos. Começaram com uma livraria na baixa, na Rua dos Gatos, que ainda mantêm.
No entanto, sempre quiseram montar uma livraria diferente. Da ideia inicial, surgiu a primeira livraria alfarrabista de porta aberta na cidade de Coimbra.
Daí à edição foi um saltinho. Começaram a surgir propostas e o primeiro livro que editaram consistiu numas actas de arte. Depois, começaram a publicar bastante o tema Coimbra e a partir daí foi sempre a evoluir.
Neste momento, Isabel Garcia acompanha a edição e a produção dos livros. A empresária referiu que “a escolha é feita sempre a dois. Conversamos, há uma partilha muito grande dentro da própria empresa”, confessa.
Como factores importantes na gerência de uma editora, Isabel Garcia destaca a ética e a deontologia. “Aparecem-nos muitas coisas para publicar, mas há temas que não consigo publicar”, revela. Não é censura, como refere. “Podem ser coisas muito bem escritas, mas são coisas facciosas, que falam de pessoas. O caminho da editora Minerva é diferente, é próprio”, explica.
A editora começou pela área universitária, mas neste momento é na área de comunicação que se destaca, como líder em Portugal, o que, segundo Isabel Garcia, “também nos cria muita responsabilidade. Temos autores de nome na área do jornalismo em Portugal e temos também autores estrangeiros. Tudo isto dá uma responsabilidade acrescida. O autor participa em toda a fabricação do livro. Somos uma grande família e sinto-me orgulhosa disso”.
Como é uma pequena editora, é-lhe permitido fazer as coisas de uma forma mais familiar, mais sentimental, mais sensível. É, acima de tudo, uma empresária que trabalha com o coração, nunca descurando a razão, porque, admite, “gosto do que faço”.
Isabel Garcia salienta a importância dos recursos humanos da empresa. “Temos pessoas quase há 20 anos. Há uma formação contínua, porque nós conversamos, reunimo-nos, discutimos os problemas”, argumenta.
Para a empresária, a responsabilidade social das empresas começa logo dentro delas próprias, com os próprios funcionários. Valoriza a formação dos funcionários e sempre que pode concilia a actividade empresarial com a actividade associativa.
Quando confrontada com a pergunta “é difícil ser-se empresária mulher?”, afirma convictamente que “hoje em dia é mais fácil, mas as mentalidades conservadoras ainda não foram ultrapassadas. Costumo dizer que, à partida, os homens nascem com os direitos adquiridos. Nós temos de lutar por eles, e vai continuar a ser assim”.
Isabel Garcia refere que uma das suas características é ser uma pessoa interveniente. E pode permitir-se sê-lo, porque não está filiada em nenhum partido, apesar de ter sido várias vezes convidada para o fazer. “Neste momento, não há um partido em Portugal que me consiga convencer que estão a ser salvaguardados os direitos”, afirmou.
Preocupa-se com o futuro porque, segundo a própria, “tudo está muito incerto”. Neste momento, a empresária diz existir “uma teoria que não está a ser utilizada, não está posta em prática”. E remata referindo que “reformas têm de ser feitas, mas questiono-me se esta será a melhor forma de levá-las a cabo”.

Perfil

Natural da aldeia de Alvaredo, concelho de Melgaço, Isabel de Carvalho Garcia assumiu, em 1985, o cargo de sócia-gerente da empresa José Alberto Garcia, Lda, mais conhecida por MinervaCoimbra. Licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Isabel Garcia possui uma elevada experiência na organização de inúmeras palestras sobre os mais diversos temas, como história, economia, política, paz mundial e arte. Os projectos de animação cultural também são da sua responsabilidade.
Com um percurso composto por várias áreas de trabalho, a empresária possui formações e experiências profissionais que a caracterizam como uma profissional multifacetada. Autora de artigos de opinião e textos para catálogos e conferências, esta responsável pela edição é também autora de prefácios, essencialmente romance e poesia. Casada e mãe de três filhos, revela-se uma mulher empreendedora, trabalhadora e determinada, mas ao mesmo tempo uma mulher, que nos seus tempos livres, para além de os dedicar aos filhos, dedica-os também a várias associações das quais é elemento de direcção, tal como Associação Nacional de Apoio ao Idoso e a Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra.
Com uma actividade profissional intensa, Isabel de Carvalho Garcia é uma mulher que se guia pela intuição e entre as suas paixões não podia deixar de estar a edição de livros. Responsável por mais de três centenas de livros a que o público pode ter acesso, a empresária desempenha também o papel de co-organizadora e co-coordenadora de várias publicações.
Embaixadora do Movimento Internacional de Solidariedade “Rainha N’Zinga”, Isabel Garcia é, desde 2001, vice-presidente da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, embora seja elemento da direcção desde 1996.

Empresa - Uma variedade de temáticas

Criada em 1985, por José Alberto de Amaral Garcia e Isabel de Carvalho Garcia com uma forte ligação a Coimbra e ao mundo universitário, as Edições MinervaCoimbra abrangem todo o país. Privilegiando sempre os autores portugueses e suas edições, esta editora publicou sempre em função dos interesses do seu público, que se caracteriza por ser exigente e diverso. Conhecida como uma das principais editoras de Coimbra, a MinervaCoimbra tem um papel fulcral na sociedade, porque, para além de ser editora, é também importadora, distribuidora de livros e publicações, livraria e galeria de arte.
A actividade editorial da empresa conta com livros de autores universitários, como as teses de doutoramentos e dos mestrados, obras e textos redigidos por jornalistas, políticos, entre outros conhecidos ou menos conhecidos. As temáticas são das mais variadas. Para além destas, a MinervaCoimbra organiza ainda colecções de temas expostos por professores de áreas específicas. Contudo, existem publicações fora das colecções, tal como publicações de traduções de autores estrangeiros. Com uma vasta gama de obras publicadas por esta firma, é de referir que a sua actividade foi iniciada com uma livraria alfarrabista, a Livraria Minerva, responsável, na altura, pela importação de livros técnicos e distribuição de livros escolares.
“Actas do 1.º Congresso Luso-Espanhol de História de Arte”, organizado pelo professor Pedro Dias, foi a primeira obra a ser editada nesta livraria, em 1986. Em 1988 é iniciada a colecção Minerva-História, sob a direcção do professor Luís Reis Torgal. Posteriormente, vieram outros docentes pedir a criação de colecções que permitissem colmatar as necessidades sentidas em certas áreas de estudo. Surgiam assim as colecções Minerva, das quais “Cadernos Minerva”, de Mário Mesquita (2002) e “Temas de Infecciologia”, por António Meliço Silvestre e Saraiva da Cunha, foram as últimas a completar esta lista em constante crescimento.

“Terças-feiras de Minerva”

A MinervaCoimbra foi a primeira livraria em Coimbra a começar com as tertúlias, que podiam ser semanais, quinzenais ou mensais, de acordo com os temas a expor e o interesse dos intervenientes. Intitulados “Terças-feiras de Minerva”, estes debates ocorriam normalmente à noite ou ao fim da tarde, onde eram discutidos todos os tipos de temas, desde a poesia até às ciências sociais, passando pela arte. Temáticas actuais são discutidas desde há cinco anos, em encontros que permitem a reflexão e debate de todos os cidadãos interessados pelos problemas da cidade, do país ou mesmo com os problemas que afectam o nosso mundo.
Feitas individualmente ou em ciclos, estas sessões permitem aos presentes a exposição da sua opinião e o aconselhamento mútuo para melhorar certas situações que estão ao alcance de todos. “Coimbra – Uma candidatura a património mundial da Unesco” é um dos ciclos destacados, uma vez que estiveram presentes elementos directamente ligados a esta candidatura. Esta capacidade de debate das “Terças-feiras de Minerva” tem adquirido importância ao longo dos anos, em parte pelos seus actos e temas escolhidos para debate, tal como o resultado do concurso “Os Grandes Portugueses”, que lhe permitiu unir, num só espaço, historiadores, políticos, jornalistas e cidadãos comuns.
Contudo, a livraria Minerva não proporciona tertúlias apenas para os adultos. Em conjunto com os ATL, tem organizado sessões livres de leitura e visitas pedagógicas à livraria, a fim de incutir o gosto e a importância da leitura.

Márcia Oliveira
Diário As Beiras
17.Dez.2007

Sem comentários: