terça-feira, setembro 20, 2016

SOFIA FRANK NO CICLO "COIMBRA (T)EM POESIA. CASA DA ESCRITA EM COIMBRA [20 DE SETEMBRO, 18H15]







SOFIA FRANK   

O ciclo “Coimbra (t)em Poesia”, organizado pela Câmara Municipal de Coimbra, na Casa da Escrita, conta, na sua próxima edição, com a presença dos poetas Frederico Lourenço e Sofia Frank. 

A entrada é livre. Sofia Frank apresentou em Julho o seu mais recente livro de Poesia & CollAge, " Allure" [MinervaCoimbra].



Sofia Frank (Sofia Nobre), é Psicóloga Clínica e Investigadora em Pós-Doutoramento no Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade – CEPESE/Universidade do Porto, integrando o Grupo de Investigação do Estudo das Elites Políticas e Económicas do Portugal Contemporâneo. É Doutorada em Psicologia – Resiliência, Trauma e Qualidade de Vida, pela Universidad de Extremadura, Badajoz (Espanha). É Pós-Graduada em Artes e Técnicas de Moda pela ESMOD International, Paris (França). Estudou ainda Matemática na FCTUC e Matemática aplicada à computação gráfica na Universidade de Aveiro.
Autora de vários artigos científicos, no âmbito da Psicologia, é ainda autora de «Fúria de Aforismos», 2004, e «Limiar da Luz Fio de Sol», 2012, igualmente publicados pela MinervaCoimbra. 

mail: minervacoimbra@gmail.com
www.minervacoimbra.pt        http://minervacoimbra.blogspot.pt 

www.facebook.com/minervacoimbraed/


sexta-feira, setembro 16, 2016

SUGESTÃO DE LEITURA «COSMOPOLITAS DE TODOS OS PAÍSES, MAIS UM ESFORÇO!» DE JACQUES DERRIDA. TRADUÇÃO DE FERNANDA BERNARDO





Sugestão de leitura: «COSMOPOLITAS DE TODOS OS PAÍSES, MAIS UM ESFORÇO!» de Jacques Derrida

Tradução de Fernanda Bernardo.

"Desde sempre a desconstrução derridiana salientou o registo político do filosófico: que há sempre uma política e uma política do político subjacente ao filosófico, disse-o e demonstrou-o sempre Derrida, confessando, ao mesmo tempo, a paixão democrática que alimentava e por que suspirava o seu pensamento. (…)" .



Fernanda Bernardo é professora de filosofia contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra - de longa data filosoficamente posicionada na Desconstrução e trabalhando na intersecção da filosofia com a literatura, a poética, as artes do visível, a ética e a política. Para além de tradutora de Jacques Derrida, de Emmanuel Levinas, de Maurice Blanchot e de Jean-Luc Nancy, é também autora de vários escritos, em revistas e obras colectivas nacionais e internacionais, "sobre" estes autores, de que se lembrarão aqui apenas os títulos dos do ano em curso: "Jean-Luc Nancy - peut-être du côté de l’anastasis"; "Les Carnets de Captivité - par-delà la mort, une ouverture sur le visage de Levinas. Entretien avec Alain David"; "A assinatura ético-metafísica da experiência do cativeiro de Emmanuel Levinas. Uma nova orientação para a filosofia - uma outra incondição para o humano"; "L'athéisme messianique de Derrida. "Penser et Agir à Contretemps" ou La portée hyper-politique de la Déconstruction"; "Moradas da Promessa. Demorança & Sobre-Vivência: Aporias da fidelidade infiel. Em torno do pensamento e da obra de Jacques Derrida"; "Penser le monde - Faire l'impossible: penser (et) agir à contretemps (La question de l'action dans la trace de Kant et de Heidegger contresignée par Derrida)" e "A "loucura" do perdão - um "impossível" da desconstrução derridiana"; "E. Levinas - J. Derrida: pensamentos da alteridade ab-soluta".
Membro do Comité Científico de Filosofia do SSHRC - CRSH (Canadá/2012), Fernanda Bernardo foi também a Representante de Coimbra-Cidade refúgio (2003-2006) no Réseau International des Villes Refuge afecto ao Parlement International des Écrivains (Strasbourg).



mail: minervacoimbra@gmail.com
www.minervacoimbra.pt        http://minervacoimbra.blogspot.pt 

www.facebook.com/minervacoimbraed/

segunda-feira, setembro 05, 2016

SUGESTÃO DE LEITURA: «A PAZ DA FÉ» POR NICOLAU DE CUSA. TRADUÇÃO E INTRODUÇÃO DE JOÃO MARIA ANDRÉ




Sugestão de leitura: «A Paz da Fé» por Nicolau de Cusa. 

Tradução e Introdução de João Maria André. A "Paz da Fé seguida de Carta a João de Segóvia" foi escrita em 1453 por Nicolau de Cusa que foi Bispo e Cardeal da Igreja de Roma. Um hino ao diálogo, a paz e à concórdia dos povos, culturas e religiões: contra a violência das armas, a força do diálogo. Atento à complexidade religiosa e cultural do tempo em que viveu e sensível às lutas entre diversas confissões religiosas e às perseguições resultantes da queda de Constantinopla, escreveu em 1453, o "De pace fidei", um hino ao diálogo entre os homens e um apelo à concórdia entre as religiões. 

João Maria André, que traduziu o original, é Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo-se doutorado em Filosofia pela mesma Faculdade com uma dissertação sobre Nicolau de Cusa. www.minervacoimbra.pt   
http://minervacoimbra.blogspot.pt/…/a-paz-da-fe-de-nicolau-… 
mail: minervacoimbra@gmail.com

www.facebook.com/minervacoimbraed/


quarta-feira, agosto 10, 2016

SUGESTÃO DE LEITURA: «A SEXUALIDADE DO HOMEM DEPOIS DOS 50 ANOS» DE YVON DALLAIRE






Sugestão de leitura: «A sexualidade do homem depois dos 50 anos» de autoria de Yvon Dallaire.


O autor: Psicólogo, sexólogo, autor e conferencista reconhecido na Europa e no Canadá, Yvon Dallaire pratica terapia conjugal e sexual desde há 30 anos. Cronista em numerosas revistas, participa regularmente em emissões de rádio e de televisão como especialista em relações heterossexuais.
Conhecido como especialista da condição masculina, publicou já um número considerável de obras sobre a relação conjugal: “Qui sont ces couples heureux?”, “Cartographie d' une dispute de couple”, “Les illusions de l'infidélité” e “Guérir d'un chagrin d'amour”.



quinta-feira, agosto 04, 2016

SUGESTÃO DE LEITURA: «JOANINHA, AVÔ, AVÔ... SÁTIRA POLÍTICA» DE SOUSA DINIS




Sugestão de Leitura: «Joaninha, Avô, Avô...» de Joaquim Sousa Dinis. 

Com este título, este livro mais parece um livro para crianças. Poderá ser lido como tal, mas é uma sátira política.



O autor refere que um dia estava a ler o conto "A menina do mar" de Sophia de Mello Breyner a uma neta e reparou que a autora descrevia uma certa casa por fora. E como seria por dentro? Lembrou-se então do conto de Lewis Carroll "Alice do outro lado do espelho" e do mundo de fantasia onde a imaginação não tem limites. Daí até encontrar a quinta governada por animais foi um passo. 



"Lembrei-me de Torga e do seu livro 'Bichos', em que descreve o comportamento de humanos como verdadeiros animais. Ora do outro lado do espelho tudo se processa ao contrário. Apelei a Orwell e dei aos animais comportamentos humanos, com os seus atavismos, as suas idiossincrasias, os tiques autoritários, a infalibilidade de uns e o servilismo de outros...." e acrescenta " É que há várias formas de exercermos o nosso direito de cidadania. Eu escolhi este, escrevendo este livro."



Neste seu quarto livro, o Juiz Conselheiro Sousa Dinis, traça uma crítica mordaz na abordagem de alguns episódios que vão surgindo na interação dos animais, para, afinal, deixar duas mensagens: a de liberdade e a de cidadania.
Joaquim José de Sousa Dinis é natural de Marrazes, Leiria. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, cidade onde reside. Abraçou a carreira da magistratura, tendo sido delegado do Procurador da República de 1967 até 1973.
Nomeado juiz de direito em 1973 e juiz desembargador em 1990, ascendeu ao supremo tribunal de justiça em 1998.
Foi vogal do Conselho Superior da Magistratura. Presentemente é Juiz conselheiro jubilado. É sócio fundador da Associação Portuguesa de Escritores Juristas, fundador do Círculo Cultural do Supremo Tribunal de Justiça e membro correspondente das Academias Petropolitanas de Letras e de Letras jurídicas (Petropolis).
Ganhou o prémio "Eça de Queirós 1994" na modalidade de conto.
Para além de publicações em Portugal e no Brasil sobre temáticas jurídicas, publicou, na modalidade de ficção, "Contos do Aquém, do Além e do Mar" (esgotado), "Varandas Para o Atlântico"(romance). Pela MinervaCoimbra publicou "Xeque ao Rei Capelo" e "Joaninha Avô, Avô..."   http://minervacoimbra.blogspot.pt/search?q=joaninha

www.minervacoimbra.pt // minervacoimbra@gmail.com

terça-feira, julho 19, 2016

«ALLURE» NOVO LIVRO DE POESIA & COLLAGE DE SOFIA FRANK




O novo livro de Poesia & CollAge, de Sofia Frank, Allure,será apresentado pelas 18h30, quinta-feira, 21 de Julho, no restaurante Loggia, no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra. A apresentação da obra conta com Performance-arte do Artista Plástico António Azenha.
Esta sessão realiza-se no âmbito da cerimónia de entrega de prémios 
do Concurso de Fotografia promovido pela AdCL (Águas do Centro Litoral).

O livro
Allure convoca e desafia os territórios mais recônditos da alma, da atracção pela vida, pela luz do amor e justiça e pelo fogo da paixão e revolta. É um livro pleno de emoção, repleto de signos desvelados pelos mais íntimos sentidos que som, ritmo, forma e cor da obra poética nos provoca, evoca, perturba e transcende. 



 A autora
Sofia Frank (Sofia Nobre), 
é Psicóloga Clínica e Investigadora em Pós-Doutoramento no Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade – CEPESE/Universidade do Porto, integrando o Grupo de Investigação do Estudo das Elites Políticas e Económicas do Portugal Contemporâneo. É Doutorada em Psicologia – Resiliência, Trauma e Qualidade de Vida, pela Universidad de Extremadura, Badajoz (Espanha). É Pós-Graduada em Artes e Técnicas de Moda pela ESMOD International, Paris (França). Estudou ainda Matemática na FCTUC e Matemática aplicada à computação gráfica na Universidade de Aveiro.
Autora de vários artigos científicos, no âmbito da Psicologia, é ainda autora de  «Fúria de Aforismos», 2004,   e «Limiar da Luz Fio de Sol», 2012, igualmente publicados pela MinervaCoimbra.

sexta-feira, julho 15, 2016

SOFIA FRANK APRESENTA «ALLURE» EM COIMBRA [MUSEU MACHADO DE CASTRO, LOGGIA] 21 DE JULHO, 18H30




CONVITE

A Águas do Centro Litoral, as Edições MinervaCoimbra e a Autora 
têm o prazer de convidar V. Ex.ª 
para o lançamento do livro 
ALLURE
de Sofia Frank
no âmbito da cerimónia de entrega de prémios 
do Concurso de Fotografia promovido pela AdCL, 
com a distinção deste livro enquanto
objecto artístico e prémio a atribuir aos talentosos participantes.

O evento realizar-se-á a 21 de Julho, pelas 18h30, no Restaurante Loggia no Museu Nacional Machado de Castro, contando para apresentação da obra com
Performance-arte do Artista Plástico António Azenha.

*
|

Sofia Frank pertence ao "reduzido número daqueles que vêem com os seus próprios olhos e sentem com o próprio coração" (Albert Einstein). Sofia Frank não nos conta para que esqueçamos, não nos mostra para que apenas nos lembremos, envolve-nos e por isso compreendemos (Kung-fu-tzu - Confúcio) a poesia, a música da alma (François-Marie Arouet - Voltaire).
Allure é Arte, como nos ilumina Leonardo da Vinci, a Arte diz o indizível; exprime o inexprimível, traduz o intraduzível. Allure!
                                                                                          Susana Nobre

segunda-feira, junho 20, 2016

«FUGA MARROQUINA» DE CRISTINA ROBALO CORDEIRO APRESENTAÇÃO EM COIMBRA [ESPAÇO DO CAFÉ-CONCERTO NO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO] 24 DE JUNHO, 18H00




Convite

As Edições MinervaCoimbra e a Autora têm o prazer de convidar
V. Ex.ª para o lançamento do livro

Fuga marroquina
de Cristina Robalo Cordeiro

A apresentação será feita por José de Faria Costa.
A sessão realiza-se no dia 24 de Junho, sexta-feira, pelas 18h00,
no espaço do Café-Concerto no Convento de São Francisco.

Co-organização 
Câmara Municipal de Coimbra/Convento São Francisco/ MinervaCoimbra.

***

A descoberta, numa galeria de pintura de Rabat, do retrato de uma família marroquina, onde julga reconhecer um passado longínquo, conduz Irene, impelida por um inexplicável dever, a tudo abandonar para partir em direcção ao Sul à procura das irmãs de Dar Nour, que um drama obscuro separara.…

[...] Vou dormir ao teu lado, Omeyma, sentir o cheiro forte do teu corpo de que a minha Mãe falava com saudade. Vais-me contar a história da água que corre em leito rochoso até chegar ao deserto. A lenda das areias.

Era uma vez….

Os olhos de Najiya fixam com espanto a velha criada. E que quer dizer essa história do rio que voa por cima do deserto? Que palavra sábia lhe explicará o sentido do que não entende? Como romper o enigma da lenda das areias cujo mistério não sabe desvendar? [...]

Este é o primeiro romance da autora, depois do livro de novelas «Reminiscências da Luz», MinervaCoimbra, 2011, obra ficcional que obteve a Menção Honrosa do XIV Prémio Literário Orlando Gonçalves, Amadora. 


Cristina Robalo Cordeiro
Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra tendo sido Vice-Reitora da mesma Universidade durante vários anos.
Actualmente é Directora do Bureau Maghreb de l’Agence Universitaire de la Francophonie, com sede em Rabat (capital do Reino de Marrocos) e que abrange mais de uma centena de Universidades dos países do Norte de África.
É Presidente do Comité da Alliance Française de Coimbra.
Foi-lhe atribuído, no dia 10 de Junho de 2015, o grau de Comendador da Ordem do Infante Dom Henrique.
Ainda em 2015  foi distinguida pelo Governo de França com a Légion d’Honneur, a mais elevada condecoração atribuída pela República Francesa.

quinta-feira, junho 09, 2016

EDGARD PANÃO APRESENTA «CAMPOS DE ARRUDA» EM AVEIRO [AUDITÓRIO DO MUSEU SANTA JOANA] 18 DE JUNHO, 16H00.




CONVITE

  As Edições MinervaCoimbra e o Autor
têm o gosto de convidar para a apresentação do livro

CAMPOS DE ARRUDA
de Edgard Panão.

A apresentação será feita por Victor Cepeda Mangerão, jurista,
e a sessão realiza-se no próximo dia 18 de Junho, sábado, 
pelas 16h00, no Auditório do Museu de Aveiro/Santa Joana.

***

Edgard Panão, é natural da freguesia de S. Miguel, concelho de Penela, distrito de coimbra.Para além de professor de Filosofia e História em vários liceus do país, foi director e professor da Escola do Magistério Primário de Aveiro, director e professor da Escola do Magistério Primário de Silva Porto (actual Kuito) Angola e ainda responsável pelos Serviços de Educação em Dili. 
Foi também vereador e presidente da Câmara Municipal de Estarreja. 

Desde 1993, altura em que se reformou, que se dedica à investigação de índole histórica e a publicar alguns trabalhos, dos quais se destacam Desde 1993, altura em que se reformou, que se dedica à investigação de índole histórica 
e a publicar alguns trabalhos, dos quais se destacam:

«O Moleiro Inteligente» (2000), 
«A reconstituição das famílias da freguesia de Salvador da vila de Miranda do Corvo» (2002), 
«Covseiro de Myranda» (2006), 
«Cartas a Ana de Leonardo» (2007),
«Os Trautos de Miranda» (2008), 
«Comentário - O outro lado da coisa» (2009),
«Os convencidos da Vida» (2010), 
«O Tombo da República-Ensaio sobre o período inicial do novo regime político (1910-1926)»(2011),
«Cancioneiro Popular de Miranda do Corvo»de Belisário Pimenta (2012)
« O Bulário da Casa Grande» 2013,
«Campos de Sombra» 2014,
«Campos de Arruda», 2015.

Os dez últimos livros com a chancela das Edições MinervaCoimbra.

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM PAULO ILHARCO [XXXIX EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE COIMBRA] FEIRA CULTURAL DE COIMBRA [12 DE JUNHO, 17H30]



CONVITE

Sessão de autógrafos com Paulo Ilharco, cujo livro de poesia mais recente se intitula  "RAIOS-X À ALMA - ECO DO SILÊNCIO".
Domingo, 12 de junho, pelas 17h30.
Feira Cultural de Coimbra - XXXIX edição da Feira do livro [stand das Edições MinervaCoimbra]




" Raios-X à Alma- Eco do silêncio” que o autor dividiu em Redondilhas Maiores, Decassílabos e Versos com outra medida. Para Paulo Ilharco tudo tem um valor simbólico, tudo tem uma explicação, tudo é espiritual. Transparente e espontâneo não se deixa contudo levar pelos cânones pré-estabelecidos. A sua luta contra a hipocrisia e a injustiça é expressa nos seus versos de intervenção. 

Paulo Ilharco, de reconhecimento incontornável na poesia, literatura e cultura portuguesas, é, actualmente, professor de Português e Inglês, na Escola Básica e Secundária Quinta das Flores, em Coimbra. Obras publicadas:
• Sonetos Imperfeitos, 1991 • Chão Sagrado – Sonetos-Mais-Que-Imperfeitos, 1992 • Paranóia – Sonetos Do Reencontro, 1995 • Transgressão – Poemas Ao Ocaso, 1997 • E Nu Sente – Sonetos (E)ternos, 2002 • Ideias... E Dei-As! – Quadras Doídas Sem Acento No “i”, 2004 • Asas Versus Aspas – Poema De força Na Cedilha, 2009

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM LAURA DASILVA [XXXIX EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE COIMBRA] FEIRA CULTURAL DE COIMBRA [11 DE JUNHO, 16H00]




CONVITE

Sessão de autógrafos com Laura DaSilva (Cecília Pedro), autora dos livros de poesia
«Palavras Soltas no Olhar» e «Madrugada Fria»
 Sábado, 11 de junho, pelas 16h00. Feira Cultural de Coimbra - XXXIX edição da Feira do livro [stand das Edições MinervaCoimbra]




«MADRUGADA FRIA» 
é o segundo livro de poesia de Laura DaSilva  
[pseudónimo de Maria Cecília da Silva Fernandes Pedro]
Laura Dasilva é natural de Coimbra, onde completou o segundo ano do curso complementar  do ensino secundário (antigo sétimo ano do liceu) em 1979, na cooperativa de ensino de Coimbra (Colégio S. Pedro).
Em 1980 emigra para o estrangeiro à procura de outras oportunidades.
Não continuou os estudos, mas nunca perdeu a ligação aos livros que sempre a acompanharam desde a infância. Regressou a Portugal em 1998 onde fixou residência em Miranda do Corvo.


Em 2014 publicou «Palavras Soltas no Olhar» [MinervaCoimbra]. Tem em preparação mais dois títulos.

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM FERNANDA SOARES [XXXIX EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE COIMBRA] FEIRA CULTURAL DE COIMBRA [11 DE JUNHO, 16H00]



CONVITE

Sessão de autógrafos na Feira Cultural de Coimbra - XXXIX edição da Feira do livro [stand das Edições MinervaCoimbra] com Maria Fernanda do Amaral Soares, autora do livro
"MIGUEL TORGA - O Poeta Pintor - Relação entre a Poesia de Torga e a pintura de Autores Portugueses".   Sábado, 11 de junho, pelas 16h00.



Edição da Câmara Municipal de Coimbra/Casa Museu Miguel Torga/Edições MinervaCoimbra.

"Se é verdade que a vitalidade de uma obra se mede pelo número de interpretações que suscita, a de Miguel Torga afirma asua presença entre nós através de uma espécie de escrita segunda. Comentários, análises ou criações originais atestam o magnetismo de um imaginário, de um pensamento e de uma experiência humana onde cada um pode encontrar uma fonte de vida e uma virtude de força.
A Colecção Casa Miguel Torga, dando a conhecer alguns desses trabalhos recentes, quer contribuir para acompanhar a irradiação contínua do universo torguiano."

Cristina Robalo Cordeiro
O livro:
Para Telo de Morais, 
esta singela homenagem da autora a Miguel Torga, "que sempre a mimoseou com uma espontânea afabilidade" deve-se também à percepção de Maria Fernanda "do interesse que Torga nutria pela boa pintura mundial de todos os tempos e pelos melhores artistas portugueses em particular.
A autora teve, por isso, a original ideia de seleccionar doze poemas de Miguel Torga e de associar cada um deles a uma pintura adequadamente escolhida em conseguida união."
Os pintores são os paisagistas Silva Porto, Frederico Aires, Emílio de Paula Campos, José Malhoa, Falcão Trigoso, Raimundo Machado da Luz e António Melo.
A autora:
Maria Fernanda do Amaral Soares nasceu no Porto. Licenciou-se em Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Enveredou pelo Ensino Secundário. Fez o estágio em 1974/75 no Liceu Rodrigo de Freitas, no Porto, em Português, Grego e Latim. Efectivou no Porto no Liceu Carolina Michaelis. Por questões familiares, fixou-se em Coimbra. 

Foi orientadora de estágio de Português na Escola Secundária José Falcão, onde teve oportunidade de leccionar também Latim e Grego. Entretanto, em 1996 apresentou a dissertação DA EXPLICACÃO À RECONSTITUIÇÃO TEXTUAL – a propósito da “tromba marítima” em “Os Lusíadas” – para obtenção de grau de Mestre em Linguística, especialidade em Teoria do texto. O seus últimos 20 anos foram dedicados ao ensino de Português e Literatura Portuguesa na Escola Secundária Avelar Brotero.

quarta-feira, junho 08, 2016

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM KIESSE OLO/ ROSA MAYUNGA [ XXXIX EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE COIMBRA ] FEIRA CULTURAL DE COIMBRA [SEXTA-FEIRA, 10 DE JUNHO, 17H30]



CONVITE

Sessão de autógrafos na Feira Cultural de Coimbra - XXXIX edição da Feira do livro [stand das Edições MinervaCoimbra] com a escritora angolana Kiesse/Olo - Rosa Mayunga, que recentemente apresentou o seu mais recente livro, «Os Reis do Kongo» com a chancela das Edições Mwana Afrika.
Sexta-feira, 10 de Junho pelas 17h30.
Rosa Mayunga (Ki­esse/Olo) nome ar­tís­tico, es­cri­tora an­go­lana, imi­grante há 33 anos em Por­tugal, é a au­tora do livro Sa­lalé três três os Reis do Kongo-An­gola.
É dou­to­randa em Ci­ên­cias Bi­o­mé­dicas-Ins­ti­tuto de Ci­ên­cias Bi­o­mé­dicas de Abel Sa­lazar (ICBAS) - Uni­ver­si­dade do Porto (UP). É mestre em De­sen­vol­vi­mento e Saúde Global - Ins­ti­tuto Uni­ver­si­tário de Lisboa (ISCTE-IUL).
É es­pe­ci­a­lista em Me­di­cina Tra­di­ci­onal Chi­nesa Mo­delo de Hei­del­berg-Ins­ti­tuto de Ci­ên­cias Bi­o­mé­dicas de Abel Sa­lazar (ICBAS) - Uni­ver­si­dade do Porto (UP).
É, também, li­cen­ciada em Aná­lises Clí­nicas e Saúde Pú­blica - Es­cola Su­pe­rior de Tec­no­logia de Coimbra (ESTES) - Ins­ti­tuto Po­li­téc­nico de Coimbra.


Nas Edições MinervaCoimbra, Rosa Mayunga (Ki­esse/Olo) publicou o livro de poesia «N'Zinga Os Descendentes».


SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM ISABEL FARIA E PEDRO OLAYO (FILHO) [XXXIX EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO DE COIMBRA] FEIRA CULTURAL DE COIMBRA [09 JUNHO, 17H00]



CONVITE


Sessão de autógrafos na Feira Cultural de Coimbra - XXXIX edição da Feira do livro [stand das Edições MinervaCoimbra] com ISABEL FARIA autora da Biografia do mestre Pedro Olayo (Filho) conhecido e conceituado artista plástico, natural de Coimbra. Pedro Olayo estará também presente nesta sessão.

                «PEDRO OLAYO(filho) - Biografia».

Quinta-feira, dia 9 de junho, pelas 17horas, Feira Cultural de coimbra, Parque Dr. Manuel Braga.




                                                                      O LIVRO
Este livro é uma biografia  e como tal "a história escrita da vida de uma determinada pessoa".
Neste caso, do grande Mestre que é Pedro Olayo (filho). É ele a personagem principal e narrador omnisciente, na primeira pessoa, dos tempos que viveu desde que se conhece até ao momento presente.
Qualquer biografia narra a existência de um homem/mulher não comum e temos neste livro o exemplo.
A vida de Pedro Olayo (filho), segundo a autora "não foi trivial  o que complicou ainda mais a ousadia de fazê-lo. Por isso, o que no livro se apresenta são meras pinceladas na tentativa de um esboço, feitas à vista, na presença e com o testemunho do original".

A AUTORA
 Isabel Faria, é Mestre em Literaturas Comparadas, licenciada em Filologia Românica e pós-graduada em Biblioteconomia, Arquivística e Documentação pela UC. Com vasta atividade profissional donde se destaca a docência, como convidada, na Universidade de Coimbra  e esporadicamente na Universidade da Madeira e dos Açores.
Destaca-se também a sua cooperação com a Fundação Calouste Gulbenkian, a Casa do Cadaval, o Instituto Português de Santo António, em Roma, e muitas outras instituições de grande prestígio.
Tem publicadas diversas obras de natureza técnica, de entre as quais se destaca, em Portugal, o "Dicionário do Livro", já com várias edições, e no Brasil com edição da EDUSP, editora da Universidade de São Paulo.
Ultimamaente dedica-se à escrita.
Pedro Olayo. Nasceu a 2 de Setembro no ano 1930 em Coimbra e teve como mestres José Contente e Edmundo Tavares. Nas suas muitas viagens toma contacto em Madrid com o espólio do museu do Prado e do Museu Sorolla. Em Paris estuda os grandes mestres da pintura impressionista e promove exposições ao ar livre que chamam a atenção da crítica ao ponto de lhe assegurar honrosa representação na galeria Stibel.Prossegue então os seus estudos em Itália, licenciando-se em Belas Artes, pela Academia Araldica Internacionale IL MARZOCCO, Firenze, Itália.
Espatulista de valor europeu, afirma-se também na aguarela. Revelando uma sagacidade conseguida na experiência e pesquisa, denota nos seus trabalhos as capacidades inatas e extraordinárias que consagram no mundo das artes.
As obras resultam duma profunda introspecção que assinala o resultado duma elaboração mental conscienciosa imbuída das vertentes indispensáveis à obra de vulto. Insatisfeito valoriza no dia-a-dia, a criação que pinta impregnando o quadro das virtualidades da inovação da técnica e da investigação permanente.
Está representado nos Museus, Galerias, e colecções particulares em Portugal. Nos Museus Machado de Castro e etnografia de Coimbra Museu Regional da Guarda Museu da Marinha, Casa Museu Maria da Fontinha (Castro D`aire), Fundação Dionisío Pinheiro (Àgueda), Museu Municipal de Santos Rocha na Figueira da Foz, Museu de Arte Moderna e contemporânea .
No Centro de Assistência materno Infantil Dr. Bissaya Barreto e na fábrica Triunfo encontra-se ali representado por um gigantesco mural.

No estrangeiro encontra-se também representado em museus das seguintes cidades, Copenhague Estocolmo, Amesterdão Barcelona, Madrid, Málaga Leon, Haia, Londres, Paris, Lyon, Marselha, e Luxemburgo.
Também nos Estados Unidos Bristol Community College Arts Center de Mass.
Tendo recebido o primeiro prémio na Exposição de Artes Plásticas na Universidade de Filadélfia. Ganhou prémios em Caracas Venezuela México e Argentina. Na academia de Belas Artes do Rio de Janeiro é igualmente representado por uma obra sua.
Em 1990 no Japão é galardoado no Tokio Arts Expo.

Expõe periodicamente nas galerias de Madrid, galeria Arte de Inversion de Leon, Galeria de Arte Andalucia em Torremolinos galeria Stiebelde Paris galeria de arte de Marselha galeria Centroi D`art theatre Municipal de Luxemburgo e galeria o Pateo das artes.
Está representado nas colecções particulares da Rainha Isabel II de Inglaterra e de Hassan II de Marrocos, bem como na sua clínica Real, em Rabat, de vários Membros de Governos Portugueses e estrangeiros, assim como artistas de cinema e cantores que vivem em Marbella e na colecção particular de Claude Rica –Lewis, em Marselha
É membro ACE Federació International d´artistes plástics (Barcelona)
E da Accademia Internazionale Gentilizia “ Il Marzocco”di Firnze.(Alla più antca academia del Mondo costituita da Cosimo De Medici nel 1446

Vada (Livorno) Italia.
1951 - Faz a sua primeira exposição em Coimbra na Galeria de “O Primeiro de Janeiro”
1953 a 1956 - Porto, Casino Peninsular Turismo de Coimbra
1957/58 - Em meados do século, cria-se uma secção de artes plásticas (CAP) o CAP transforma-se numa secção autónoma da Associação Académica, por iniciativa de um comerciante interessado e educado nessa área – Abílio Amado – e de alguns elementos dessa secção, entre eles, Octávio Lopes, Joaquim Tomé, Mira Coelho, e António Pimentel, apoiados por dois pintores já conhecidos, embora ainda jovens – Mário Silva e Pedro Olayo (filho). Dotado de subsídio estável da Fundação Calouste de Gulbenkian, o novo estatuto do CAP obedecia a uma vontade férrea de dar fôlego à formação dos artistas e do público de Coimbra em artes plásticas.
1958 - De novo expõe em Coimbra, Porto, e Figueira da Foz no Turismo em Coimbra
1982 - Expõe no Porto, Luanda (casa dos antigos estudantes da Universidade de Coimbra e também Museu Municipal), Hotel da Balaia (Algarve) Sociedade de Belas Artes de Lisboa, Galeria de Portimão (Algarve) Turismo de Coimbra, Galeria Castilho em: Lisboa, Casino Peninsular (Figueira da Foz), Casino do Estoril, Museu Distrital de Santarém (Promovido pelo Rotary Club de Santarém), Galeria Arte (Leiria) Galeria de o “Primeiro de Janeiro” em Coimbra.
1982 a 1988 - Expõe no Porto, Club Residencial da Boavista na “Casa dos Crivos”, em Braga, Expõe novamente no Porto na Galeria Inter – Atrium, em Lisboa na Galeria do Hotel Ritz, em Coimbra no “Primeiro de Janeiro”, na pousada de Santa Marinha em Guimarães na Galeria Roca, na Marinha Grande em Coimbra na Galeria Arte Livre.

Expõe também em colectivas sendo uma a favor das Crianças Diminuídas Mentais da Marinha Grande, Realizada em S. Pedro de Moel. No Edifício Chiado em Coimbra realizou-se uma exposição colectiva promovido pelo CAP (Circulo de Artes Plásticas) “Artistas de Coimbra”. Exposição de Artes Plásticas em Arganil, Galeria de o “Primeiro de Janeiro” Colectiva do Casino Estoril, Almadarte Galeria, Costa Caparica, Graal-arte-Coimbra, colectiva do casino de Espinho, em Aveiro no Primeiro Salão de Artes Plásticas, Galeria Municipal pelo Rotary Club de Aveiro.
1983 a 1987 - Expõe em colectivas, nos Estados Unidos da América- S. Francisco C.A.,, North Carolina , Fall River Mass, Holmdel, Nwe Jersey.
1975 a 1988 - Período em que também teve residência em Espanha, tendo trabalhado com várias galerias especialmente com a Galeria Andaluzia em Torremolinos, onde foi pintor exclusivo, tendo exposto também noutras cidades Espanholas, Leon, Madrid, Barcelona e Torremolinos.
1986 - Exposição individual Galeria “SFUMATO” – Figueira da Foz
1987 - Exposição individual, promovida pela Casa Municipal de Cultura de Fafe
1989 - II Colectiva de Artes Plásticas de Miranda do Corvo
Exposição individual – Coimbra é Saudade
1991 - 1ª Exposição Colectiva de Pintura e Desenho APPC BRAGA
1994 - Salon Siglo 20, The Art Show - Málaga (Espanha)
Mostra de arte Portuguesa “Galeria de Art Marabelló” - Barcelona
Olhares sobre Coimbra – Galeria Santa Clara
1996 - Terras da Beira (Guarda)
Colectiva dos 12º anos da galeria Inter Atrium
Colectiva pequena formato “ Galeria Inter Atrium” porto
1997 - Exposição individual comemorativa do 1ª aniversário da Galeria ORIANA –
Coimbra
1998 – Góis Arte 98
1999 - Colectiva de Pedro Olayo, a favor de Associação Portuguesa de portadores de
Trissomia 21
2000 - II Bienal de Arte de Expressão Figurativa de Alenquer
Exposição Coletiva de Pintura – Percursos e Horizontes
2002 - Em Setembro participou como artista convidado XXVII Salon International des
Arts, que se realizou em Buxiéres –les- Mines (França) sendo a obra a concurso adquirida pela Organização do evento.
2005 – Exposição Individual na Galeria Paletro – Coimbra
Exposição colectiva Fundação Bissaya Barreto - Coimbra
2006 – Exposição Colectiva gerações Olaio – Maria Braga Galeria – Vila Nova de
Cerveira
Exposição Individual, Sala “Campus Stellae” – León, Espanha
Colectiva Internacional de Pintura na Cidade de Halle, na Alemanha, Cidade
geminada com Coimbra.
2007 - Colectiva Fundação Bissaya Barreto - Coimbra
2008 – Colectiva Euroarte, Galeria de Arte - Lisboa
Colectiva Fundação Bissaya Barreto - Coimbra
Colectiva Convento S. Francisco, Arte Clara – Coimbra
2009 – Colectiva, Hepaturix, Pavilhão de Portugal – Coimbra
Colectiva, Câmara Municipal de Sintra
Colectiva, Rotários, Cascais
Colectiva, Queima Solidária, Ordem dos Médicos - Coimbra