domingo, junho 10, 2018

«TANGO, QUEBEC, UNIFORM» DE LUIZ CANAVARRO [APRESENTAÇÃO EM LISBOA, COIMBRA E VISEU] DIAS 14, 20 E 26 DE JUNHO



CONVITE

O Autor e as Edições Minervacoimbra 
têm o gosto de convidar V. Ex.ª 
para o lançamento do livro


TANGO, QUEBEC, UNIFORM 
de autoria do Prof. Doutor Luiz Canavarro.


Lisboa

Dia 14 de Junho, quinta-feira, pelas 18h00.
Apresentação por Embaixador Falcão Machado.
Palácio da Independência,Largo São Domingos, 11.



Coimbra

Dia 20 de Junho, quarta-feira, pelas 18h00.
Apresentação por Engº Diniz Manso.
Ordem dos Médicos, Av. Afonso Henriques, 39.



Viseu

Dia 26 de Junho, terça-feira, pelas 18h00.
Apresentação por Coronel Pedro Calheiros.
Clube de Viseu, R. Cónego Martins, 2.


***



Tango, Quebec, Uniform
Um texto inteligente, alegre e tocante.
Uma caricatura impiedosa, brilhante e mordaz da sociedade actual.
Um relato quase cinematográfica, vivo, de aventura e emoção.
Uma apologia da amizade, do belo, da gratidão e do bom-humor.
Um evocar de princípios há muito esquecidos.
E que nunca deviam tê-lo sido.
Tornam este livro o mais politicamente incorrecto dos últimos anos."




Luiz Canavarro
Nasceu em Viseu na primeira metade do século passado,
mas reside em Coimbra há quase 50 anos. É médico psiquiatra e, com excepção de alguns meses nos Estados Unidos, onde estagiou e se doutorou, fez toda a sua vida profissional nesta cidade.
É veterano da Guerra do Ultramar (Moçambique). Como primeiro ou único autor tem a seu crédito mais de 30 títulos em trabalhos científicos e vários livros publicados, nas áreas do romance, conto e ensaio. Realizou conferências ou apresentou comunicações em lugares tão diversos como os Estados Unidos, Brasil, Grécia, Reino Unido, China, Hungria, Cuba e, naturalmente Portugal.
Recebeu prémios de pintura, fotografia e poesia. Praticou vela, paraquedismo, mergulho, automobilismo (ralye), natação, karate, caça e pesca. Dedica-se também à culinária, enologia, conservação do património, energias alternativas e mineralogia”.

www.minervacoimbra.pt
https://pt-pt.facebook.com/minervacoimbraed/
minervacoimbra@gmail.com

quarta-feira, maio 30, 2018

«NOTA SOBRE A SUPRESSÃO GERAL DOS PARTIDOS POLÍTICOS» DE SIMONE WEIL [APRESENTAÇÃO EM COIMBRA, 05 DE JUNHO]





CONVITE

As Edições MinervaCoimbra e a Alliance Française de  Coimbra
têm o gosto de convidar para o lançamento do livro
 "Nota sobre a supressão geral dos partidos políticos
de Simone Weil, (tradução de Cristina Robalo Cordeiro).

Apresentação por Cristina Robalo Cordeiro 
e Amadeu Carvalho Amadeu Homem
 (professores catedráticos da Faculdade 
de Letras da Universidade de Coimbra).

Dia 5 de junho, 18h15m, Sala Sá de Miranda,

Casa Municipal da Cultura.


Uma sessão em parceria com as Edições MinervaCoimbra 
e Alliance Française de Coimbra.

                                                                    ***
“Para apreciar os partidos políticos segundo o critério da verdade, da justiça e do bem público, convém que comecemos por discernir três aspectos essenciais: 

1/ Um partido político é uma máquina de fabricar a paixão colectiva; 
2/ Um partido político é uma organização construída de maneira a exercer uma pressão colectiva sobre a forma de pensar de cada um dos seres humanos que dele são membros; 
3/ A primeira finalidade e, em última análise, o único fim de qualquer partido político é o seu próprio crescimento, e isto sem qualquer limite.”

                                                     Simone Weil (1940)





Simone Adolphine Weil (1909-1943)
Professora filosofia e escritora francesa, quis partilhar a vida das operárias de fábrica antes de entrar na Resistência. Na sua constante procura do absoluto, escreveu uma obra inspirada, publicada depois da guerra 
(La Pensateur et la Grâce, 1947; L'Enracinement, 1950; La condition ouvrière, 1951), onde tenta conciliar a sua exigência mística e a sua vontade de justiça social. 
O presente ensaio foi redigido em Londres onde se juntou à França livre do General de Gaulle.
Tendo-lhe sido diagnosticada uma tuberculose, recusou alimentar-se, argumentando que as suas refeições deveriam ser enviadas para França.
Faleceu em Ashford (Inglaterra), a 24 de Agosto de 1943.



Cristina Robalo Cordeira
Professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, traduziu diversos autores de língua
francesa, de Paul Valéry a Jacques Attali.
Ao traduzir este ensaio polémico de Simone Weil, para o público português, Cristina Robalo Cordeiro entendeu assumir o dever o dever que incumbe hoje aos universitários na sua prática da cidadania: colocar questões radicais.

quarta-feira, maio 23, 2018

PORTO. APRESENTAÇÃO. «A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)» DE ROGÉRIO SANTOS [24 DE MAIO DE 2018]





Convite

As Edições MinervaCoimbra, a Diretora da Coleção História e Memória,

Prof.ª Doutora Isabel Nobre Vargues, o Autor e Associação de Trabalhadores
e Reformados da Portugal Telecom (ATRPT) têm o prazer de convidar V. Exa. para a apresentação do livro

 "A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)"
de autoria de Rogério Santos.

A apresentação será feita pela Prof.ª Doutora Ana Isabel Reis (Universidade do Porto) e a sessão realiza-se no próximo dia 1 de Fevereiro de 2018, pelas 18h00, no Auditório da ATRPT, Rua do Almada, 157-161, PORTO.


O livro
analisa a história da Emissora Nacional durante o período de 1968 a 1975, compreendendo os tempos do governo de Marcelo Caetano e os dezoito meses de revolução política (abril de 1974 a novembro de 1975). 
O estudo incide sobre a programação, os objetivos ideológicos, estéticos e culturais da rádio pública e a mudança de geração de dirigentes, profissionais e orientações radiofónicas.
[nº 5 da Colecção Comunicação História e Memórias]

                                                           


ROGÉRIO SANTOS é docente (Universidade Católica Portuguesa) e investigador em ciências sociais e humanas  (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura). Publicou diversos livros sobre história da rádio e das telecomunicações, 

sábado, abril 07, 2018

"PEGADAS RECENTES... INTEGRADO NAS COMEMORAÇÕES DO ENCERRAMENTO DA ATIVIDADE MÉDICA" DE CÂNDIDO FERREIRA






PEGADAS RECENTES... INTEGRADO NAS COMEMORAÇÕES DO ENCERRAMENTO DA ATIVIDADE MÉDICA 

de autoria de CÂNDIDO FERREIRA

com Prefácio de Miguel Guimarães (Bastonário da Ordem dos Médicos).


"No termo da minha carreira profissional, decidiram os
meus colaboradores mais próximos, e também os utentes
da Clínica que dirigi durante 35 anos, e a que depressa se
associaram familiares e amigos, distinguir-me com uma “Festa
de Homenagem” que entendi não poder recusar.
Entretanto, outras pessoas e até Movimentos e Partidos,
alguns que em absoluto desconhecia, dispuseram-se também a
aderir à iniciativa, promovendo outras realizações em paralelo.
É neste contexto que a todos entendi dedicar este singelo livro,
sem referir ninguém em particular.
Em Pegadas Recentes... dou-lhes conta do meu pensamento
atual, abordo as emoções que intensamente vivo e reafirmo a
vontade férrea que me anima em viver intensamente a vida,
num momento marcante em que resolvi romper com a minha
inscrição na Ordem dos Médicos, uma paixão de sempre.
Um bem-haja a todos e, nunca esqueçam, façam o favor de
ser felizes e de continuarem a ser meus bons e leais amigos.
Cândido Ferreira. In «Pegadas Recentes», 
"Breve explicação e agradecimento".

***
"Nasce-se cortesão, escravo ou rebelde, como se nasce louro ou moreno... papoila ou gaivota. Eu  nasci assim, atento à dor alheia e sempre pronto a sacudir a tirania, apostado em cultivar flores no meio da selva urbana em que vivo e procurando escrever do lado certo, desde que me conheço. Reconheço que não tem sido tarefa fácil... 

Talvez ainda alguns capítulos estejam por escrever, enquanto outros os perdi na névoa da saudade. Terão murchado... tal como os cravos de Abril. Mas a minha alma de peregrino nunca desistiu desta caminhada quase solitária pelo deserto, prosseguindo de oásis em oásis em busca da terra prometida. 

Andarilhar à procura, sempre mais e mais longe, parece ser o meu destino. Confesso que nem sequer tive escolha mas, feliz com a minha sina, atrevo-me a lançar um desafio: tentem explorar os caminhos que eu, provavelmente, nunca conseguirei desbravar."

Cândido Ferreira, In Prefácio de "Os Burros", 2005



Cândido Ferreira nasceu em 1949, em Febres – Cantanhede.
Foi um dos candidatos à Presidência da República. Em Coimbra frequentou a Escola Primária, cumpriu a restante formação académica no Liceu de D. João III e na Faculdade de Medicina de Coimbra, até 1973. Foi bolseiro da Gulbenkian, trabalhador-estudante e atleta da AAC, tendo conquistado diversos títulos.Em 1976, dirigiu o Hospital de Pombal, onde deixou reconhecida obra. Entre 1978 e 1982, foi Assistente de Nefrologia e frequentou um estágio em Lyon, na área das transplantações renais. Regressado aos Hospitais da Universidade de Coimbra, integrou a equipa do Prof. Linhares Furtado, tendo organizado a consulta de transplantação e a primeira colheita de órgãos e colaborado na primeira transplantação renal com rins de cadáver, em Portugal. Em 1982, enveredou pela diálise privada a partir de Leiria, tendo construído empresas e Clínicas consideradas modelares e sido responsável por uma vasta consulta de especialidade e por um milhão de tratamentos de hemodiálise.
Democrata e humanista, viveu a crise académica de 1969 e integrou o Executivo Distrital do MDP-CDE de Coimbra, antes do 25 de Abril, tendo chegado a ser detido por atividades contra a ditadura. Já não pertence a nenhum Partido, mas da sua incursão pela política ressalta, em 1975, ter declinado integrar a lista para a Assembleia Constituinte, pelo PS. Tendo exercido as funções de Presidente da Federação Distrital de Leiria daquele Partido, entre 1991 e 1995, recusaria também a carreira de Deputado à Assembleia da República.
Para além de uma vasta produção técnica e científica, alguma em colaboração com os mais reputados centros e publicações internacionais, foi responsável por largas centenas de artigos de opinião, acolhidos em múltiplos jornais, revistas e estações de rádio, tendo ainda efetuado inúmeras intervenções públicas, incluindo na TV. É autor dos romances O Senhor Comendador, "A Paixão do Padre Hilário" e "Setembro Vermelho" e de três livros de crónicas – "Os Burros, Esmeralda – Sim!..." e "Pelas Crianças de Portugal"; foi também porta-voz de um movimento na blogosfera, criado em torno do “Caso Esmeralda”. Tendo sempre merecido excelentes classificações por parte da crítica especializada, foi ainda largamente distinguido na Enciclopédia de Artistas Médicos e na Antologia de Ficionistas da Gândara.
Ligado ao colecionismo, anima a criação de um “Museu das Coleções” em parceria com a Câmara Municipal de Cantanhede, a partir da doação de setecentas mil peças que reuniu, estudou e catalogou, e que se encontram dispersas por uma centena de temáticas, sendo algumas populares e outras ligadas à Bibliografia, ao Dinheiro, à História Postal, à Arqueologia e a diversas Artes Decorativas, como as coleções de pintura portuguesa e de artesanato, esta recolhida em todo o mundo. Mantém cooperação regular com os países de expressão portuguesa. Em 2007 adquiriu uma propriedade no Alentejo, onde se esforça por instalar e desenvolver atividades ligadas à agricultura, à pecuária e à hotelaria, preparando assim um regresso à natureza e aos valores da vida tradicional.




Foto da capa: Projeto do futuro Museu de Arte e Colecionismo de Cantanhede 
de autoria de Miguel Abecasis Arquiteto 
[1.º Prémio do concurso público aberto pela Câmara Municipal de Cantanhede].

www.facebook.com/minervacoimbraed/ 
www.minervacoimbra.pt

segunda-feira, janeiro 22, 2018

«A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS [1968-1975)» DE ROGÉRIO SANTOS [1 DE FEVEREIRO, 18H30. FNAC CHIADO]
















Convite

As Edições MinervaCoimbra, a Diretora da Coleção História e Memória,

Prof.ª Doutora Isabel Nobre Vargues, o Autor e a FNAC Chiado
têm o prazer de convidar V. Exa para a apresentação do livro

 "A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)"
de autoria de Rogério Santos.

A apresentação será feita pelo Doutor Adelino Gomes (jornalista)
e a sessão realiza-se no próximo dia 1 de Fevereiro de 2018, pelas 18h30, 
na Fnac do Chiado, em Lisboa.

O livro
analisa a história da Emissora Nacional durante o período de 1968 a 1975, compreendendo os tempos do governo de Marcelo Caetano e os dezoito meses de revolução política (abril de 1974 a novembro de 1975). 
O estudo incide sobre a programação, os objetivos ideológicos, estéticos e culturais da rádio pública e a mudança de geração de dirigentes, profissionais e orientações radiofónicas.
[nº 5 da Colecção Comunicação História e Memórias]

                                                           


ROGÉRIO SANTOS é docente (Universidade Católica Portuguesa) e investigador em ciências sociais e humanas  (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura). Publicou diversos livros sobre história da rádio e das telecomunicações, 

terça-feira, janeiro 09, 2018

«NOTA SOBRE A SUPRESSÃO GERAL DOS PARTIDOS POLÍTICOS» DE SIMONE WEIL [BREVEMENTE] TRADUÇÃO E PREFÁCIO DE CRISTINA ROBALO CORDEIRO




Brevemente

"Nota sobre a supressão geral dos partidos políticos" de Simone Weil

Tradução e prefácio de Cristina Robalo Cordeiro.

“Para apreciar os partidos políticos segundo o critério da verdade, da justiça e do bem público, convém que comecemos por discernir três aspectos essenciais: 1/ Um partido político é uma máquina de fabricar a paixão colectiva; 2/ Um partido político é uma organização construída de maneira a exercer uma pressão colectiva sobre a forma de pensar de cada um dos seres humanos que dele são membros; 3/ A primeira finalidade e, em última análise, o único fim de qualquer partido político é o seu próprio crescimento, e isto sem qualquer limite.”Simone Weil.

domingo, dezembro 03, 2017

BOAS FESTAS E FELIZ ANO DE 2018



        serigrafia de Miguel Barbosa

quinta-feira, novembro 23, 2017

MARIA HELENA TEIXEIRA E CARLA FURTADO RIBEIRO NO CICLO "COIMBRA TEM POESIA" [CASA DA ESCRITA, 29 NOVEMBRO, 2017, 18H15]


As poetas Maria Helena Teixeira e Carla Furtado Ribeiro são as convidadas da próxima sessão do ciclo mensal “Coimbra (t)em Poesia”, organizado pela Câmara Municipal de Coimbra, que irá decorrer na Casa da Escrita (Rua Dr. João Jacintho, n.º 8). A iniciativa decorre na próxima quarta-feira, dia 29 de novembro, a partir das 18h15 e tem entrada livre.

 Maria 

As poetas Maria Helena Teixeira e Carla Furtado Ribeiro são as convidadas da próxima sessão do ciclo mensal “Coimbra (t)em Poesia”, organizado pela Câ...
CM-COIMBRA.PT

sábado, novembro 18, 2017

«A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)» DE ROGÉRIO SANTOS [APRESENTAÇÃO EM COIMBRA. SAPIENTIA BOUTIQUE HOTEL] 24 DE NOVEMBRO, 18H00.


Convite


Vai ser apresentado dia 24 de novembro, pelas 18h00, no Sapientia Boutique Hotel, em Coimbra, o livro  "A Emissora Nacional e as mudanças políticas (1968-1975)"
de autoria do docente universitário e investigador em ciências sociais e humanas Rogério Santos.
A apresentação será feita por Isabel Nobre Vargues, professora da FLUC e diretora da Coleção História e Memória - MinervaCoimbra.

O livro
analisa a história da Emissora Nacional durante o período de 1968 a 1975, compreendendo os tempos do governo de Marcelo Caetano e os dezoito meses de revolução política (abril de 1974 a novembro de 1975). 
O estudo incide sobre a programação, os objetivos ideológicos, estéticos e culturais da rádio pública e a mudança de geração de dirigentes, profissionais e orientações radiofónicas.
[nº 5 da Colecção Comunicação História e Memórias]

                                                           

ROGÉRIO SANTOS é docente (Universidade Católica Portuguesa) e investigador em ciências sociais e humanas  (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura). Publicou diversos livros sobre história da rádio e das telecomunicações, 

sexta-feira, novembro 03, 2017

«PENUMBRA» DE LAURA DA SILVA [APRESENTAÇÃO NA BIBLIOTECA MUNICIPAL MIGUEL TORGA EM MIRANDA DO CORVO] 18 DE NOVEMBRO, 16H00.






Convite 

O Presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, Miguel Baptista, 
as Edições MinervaCoimbra e a Autora, têm a honra de convidar V. Exª 
para a apresentação do livro PENUMBRA de Laura DaSilva.
A apresentação será feita por Júlia Correia (professora de ensino secundário).
A sessão realiza-se no próximo dia 18 de Novembro, pelas 16h00, 
na Biblioteca Municipal Miguel Torga.

***



Laura DaSilva [Maria Cecília da Silva Fernandes Pedro] nasceu a 5 de Novembro em Coimbra, onde completou o segundo ano do curso complementar do ensino secundário (antigo sétimo ano do liceu) em 1979, na cooperativa
de ensino de Coimbra (Colégio S. Pedro). Em 1980 emigra para o estrangeiro à procura de outras oportunidades. Não continuou os estudos, mas nunca perdeu a ligação aos livros que sempre a acompanharam desde a infância. Regressou a Portugal em 1998 onde fixou residência em Miranda do Corvo. 
Publicou em 2014 “Palavras soltas no olhar”, em 2016 "Madrugada Fria" (1.ª edição) e 2.ª ed. em 2017.  

«A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)» DE ROGÉRIO SANTOS [BREVEMENTE]





A EMISSORA NACIONAL E AS MUDANÇAS POLÍTICAS (1968-1975)
de  Rogério Santos

Este livro analisa a história da Emissora Nacional durante o período de 1968 a 1975, compreendendo os tempos do governo de Marcelo Caetano e os dezoito meses de revolução política (abril de 1974 a novembro de 1975). O estudo incide sobre a programação, os objetivos ideológicos, estéticos e culturais da rádio pública e a mudança de geração de dirigentes, profissionais e orientações radiofónicas.
[nº 5 da Colecção Comunicação História e Memória, dirigida pela Prof. Doutora Isabel Nobre vargues]

                                                           

ROGÉRIO SANTOS é docente (Universidade Católica Portuguesa) e investigador em ciências sociais e humanas (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura). Publicou diversos livros sobre história da rádio e das telecomunicações, jornalismo e media.

quarta-feira, novembro 01, 2017

MÁRIO MESQUITA, ELEITO PARA A ENTIDADE REGULADORA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL [ERC]


Mário A. Mesquita eleito para a ERC. Autor e Diretor de 3 coleções de comunicação da MinervaCoimbra. Muitos parabéns e felicidades no novo cargo, professor. Ficamos todos a ganhar. Parabéns a toda a equipa.
Os deputados elegeram hoje Abílio Morgado para o Conselho de Fiscalização do Serviço de Informações da República (SIRP), com 153 votos, e Mário Mesquita para a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), com 160 votos.
JN.PT

sexta-feira, outubro 20, 2017

«UM HOMEM QUE PARTIU DO SEU REGRESSO» DE ANTÓNIO ARNAUT [APRESENTAÇÃO NA CASA MUNICIPAL DA CULTURA, COIMBRA] 28 DE OUTUBRO, 16H00.




Convite 
Apresentação de
"UM HOMEM QUE PARTIU DO SEU REGRESSO
e outros poemas" de António Arnaut
por António Pedro Pita (Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra).  Leitura de poemas por Victor Torres.

28 de Outubro de 2017, 16h00Sala Polivalente da Casa Municipal da CulturaRua Pedro Monteiro, em Coimbra. 

***
O livro
    “Um Homem que partiu do seu regresso foi pensado como uma alegoria de quem regressa da morte anunciada, ou da vida no ocaso sensível da sua Luz. 
O regresso era também uma partida ou vice-versa, dependendo da premência da poesia na deflagração sequencial da palavra poética. 
O poeta é tanto um mediador do oculto como um desocultador do já revelado. Procura a palavra perdida, genesíaca, para vencer a morte e dar um sentido humano à vida.”
                       António Arnaut

O Autor
António Duarte Arnaut nasceu em 1936 na freguesia de Cumieira, Penela, onde ainda tem casa de família. Advogado, político e escritor. Conhecido sobretudo pela sua acção cívica e política e por ser fundador do Serviço Nacional de Saúde, a sua vasta e notável obra literária, de reconhecido mérito, alcança já os 40 títulos. Poeta, ficcionista, ensaísta, publicou vários livros em defesa do SNS e do Estado Social. A sua poesia dispersa por 14 livros, está antologiada em "Recolha Poética (1954-2014), Coimbra Editora,2014, recentemente reeditada pela Imprensa da Universidade de Coimbra, "Recolha Poética (1954-2017)".

Os seus contos foram seleccionados em "Contos Escolhidos", Coimbra Editora, 2011. De destacar ainda o romance histórico-político "Rio de Sombras", Coimbra Editora, 2007.
As capas dos seus livros são quase todas elaboradas 
com base na reprodução de quadros de pintores amigos, 
que conserva na sua colecção.António Arnaut escreve, sempre que pode, ao som de música clássica. Os seus compositores favoritos são Mozart, Beethovan e ainda os clássicos russos, preferencialmente Alexander Borodin. 

Obras de António Arnaut

(por ordem cronológica)

Versos da mocidade. Coimbra, Coimbra Editora, 1954 (esgotado).

Serviço Nacional de Saúde - uma aposta no futuro. Coimbra,

Coimbra Editora, 1978 (esgotado). Ensaio.

A condição portuguesa no Diário de Miguel Torga (Conferência),

1984.

Rude Tempo, Rude Gente. Coimbra, Fora de Texto, 1.ª edição,

1985; 2.ª edição, 1995 (esgotado). Ficção.
Onze anos depois de Abril - Reflexão Política, 1985. Ensaio.
Para uma visão diacríptica do romance de Miguel Torga. Coimbra,
Gráfica de Coimbra, 1985. Ensaio.
Pátria, Memória Antiga. Coimbra, Fora do Texto, 1.ª edição,
1986; 2.ª edição, 1992 (esgotado). Poesia.
Miniaturais/Outros Sinais. Coimbra, Livraria Almedina, 1987
(esgotado). Poesia.
A viagem - Contos do Absurdo. Coimbra, Livraria Almedina,
1988 (esgotado). Ficção.
O dia do encontro – No 40.º aniversário da Declaração Universal
dos Direitos do Homem, (Conferência), 1989.
Ossos do Ofício. Coimbra, Fora do Texto, 1.ª edição, 1990; 2.ª
edição, Coimbra Editora, 2002. Ficção.
Protótipos Torguianos (Conferência), 1990.
Estudos Torguianos. Coimbra, Coimbra Editora, 1.ª edição,
1992; 2.ª edição, 1997. Ensaio.
Imaginários Portugueses – Contos (Antologia de Autores Portugueses
Contemporâneos). Coimbra, Fora do Texto, 1992.
Obra Colectiva.
Iniciação à Advocacia: história, deontologia, questões práticas.
Coimbra, Coimbra Editora, 1.ª edição, 1993; 11.ª edição, 2011.
Ensaio.
Introdução à Maçonaria. Coimbra, Coimbra Editora, 1.ª edição,
1996; 7.ª edição, 2012. Ensaio.
Estatuto da Ordem dos Advogados (Anotado). Coimbra, Coimbra
Editora, 1.ª edição, 1996; 14.ª edição, 2012.
Canto de Job (Homenagem a Miguel Torga), 1996 (esgotado).
Poesia.
Cântico em Honra de Miguel Torga. Coimbra, Fora do Texto,
1996. Obra Colectiva.
Nobre Arquitectura. Arganil, Editorial Moura Pinto, 1997; 3ª
edição, Lisboa, Huguin Editores, 2003 (esgotado). Poesia.
O Pássaro Azul - Contos e Poemas de Natal. Coimbra, Coimbra
Editora, 1ª edição, 1998; 2ª edição, 2001. Poesia e Prosa.
Entre o Esquadro e o Compasso (Três Intervenções). Lisboa,
Universitária Editora, 1999 (esgotado).
Ética e Direito - algumas questões concretas. Coimbra, Livraria
Mateus, 1999 (esgotado). Ensaio.
Por Este Caminho. Coimbra, Coimbra Editora, 1.ª edição, 1999;
2.ª edição, 2000. Poesia.
Vencer a Morte. Coimbra, Coimbra Editora (Conferência), 2001.
As Noites Afluentes. Coimbra, Coimbra Editora, 2001. Poesia
e Prosa.
Colectânea de Poesia. Coimbra, Pé de Página, 2001. Obra Colectiva.
A Seiva da Raiz. Penela, Câmara Municipal, 2002. Contos.
Miguel Torga, Mestre de Língua e da Portugalidade (Conferência),
2002.
Do litoral do teu corpo - Antologia do Amor. Vila Nova de Gaia,
Editora Ausência, 2003 (esgotado). Poesia.
Encantada Coimbra (Colectânea de Poesia sobre Coimbra).
Lisboa, D. Quixote, 2003. Obra Colectiva.
Choque e Pavor (25 Poemas contra a guerra no Iraque). Vila
Nova de Gaia, Editora Ausência, 2003. Obra Colectiva.
Recolha Poética (1954-2004). Coimbra, Coimbra Editora, 2004.
Na Liberdade – Antologia Poética, 30 Anos, 25 de Abril. Peso da
Régua, Garça Editores, 2004. Obra Colectiva.
Fernando Pessoa e a Maçonaria. Lisboa, Grémio Lusitano, 2005.
Ensaio.
Rio de Sombras. Coimbra, Coimbra Editora, 2007. Romance.
Serviço Nacional de Saúde (SNS) – 30 Anos de Resistência. Coimbra,
Coimbra Editora, 1.ª e 2.ª edições, 2009. Ensaio.
Contos Escolhidos. Coimbra, Coimbra Editora, 2011. Ficção.
Rosto e Memória – Exercícios de Cidadania. Coimbra, Coimbra
Editora, 2011. Ensaio
O Étimo Perdido – O SNS, O Estado Social e Outras Intervenções.
Coimbra, Coimbra Editora, 2012.
Alfabeto Íntimo e Outros Poemas. Coimbra, Coimbra Editora,
2013. Poesia.
Iluminuras – Adágios, Incisões e Reflexões. Coimbra, Coimbra
Editora, 2013. Poesia e Prosa.
Degraus, Antologia Poética Solidária. Edição do Casino Figueira/
LAHUC, 2014. Obra colectiva.
Cavalos de Vento. Coimbra, Coimbra Editora, 2014. Poesia e
Prosa.
A Mesma Causa, Conferências e Outras Afluências. Coimbra,
Coimbra Editora, 2015.
Era um Rio e Chorava – 80 poemas para 80 anos. Coimbra, Coimbra
Editora, 2016.
Recolha Poética (1954-2017), 2. ª edição (aumentada). Coimbra,
Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.
Introdução à Maçonaria, 8. ª edição, Coimbra, Imprensa da
Universidade de Coimbra, 2017.