quarta-feira, fevereiro 19, 2020

AQUILINO RIBEIRO NA DITADURA MILITAR E NO ESTADO NOVO DE SALAZAR (1926-1963) [APRESENTAÇÃO EM COIMBRA, 21 DE FEVEREIRO, 18H00] CASA MUNICIPAL DA CULTURA


Convite

As Edições MinervaCoimbra, o Director da Colecção 
Minerva-História e o Autor
têm o prazer de convidar para o lançamento de 

Aquilino Ribeiro na Ditadura Militar 
e no Estado Novo de Salazar (1926-1963) 

de Renato Nunes

A apresentação será feita pelo por Prof. Doutor Luís Reis Torgal e a sessão realiza-se no próximo dia 21 de Fevereiro, sexta-feira, pelas 18h00
na Casa Municipal da Cultura, Rua Pedro Monteiro, Coimbra. 

                                                         ***

Neste livro, que resulta de um projecto amadurecido ao longo de 12 anos, analisa-se o percurso sui generis de um homem que teve como programa de vida (o grande sentido da sua existência) ser escritor profissional, num país pouco povoado, marcado por elevadas taxas de analfabetismo e onde os direitos de autor eram quase uma miragem. Numa época (Ditadura Militar e Estado Novo) marcada pela censura e pela repressão. A representação do autor, desse percurso de Aquilino Ribeiro, pretende afirmar se como mais um contributo para desvendar a vida de um mestre lido, admirado e recomendado, até mesmo por António de Oliveira Salazar, como de resto se comprova pelas palavras que o ditador proferiu ao jornalista francês Frédéric Lefèvre: “Comece o seu inquérito por Aquilino. É um inimigo do regime. Dir-lhe-á mal de mim, mas não me importa: é um grande escritor”.

Renato Nunes nasceu em Lille, França (3/7/1980), mas passou grande parte da sua infância e adolescência em Vila Franca da Beira, no concelho de Oliveira do Hospital. Licenciou-se em História, Ramo de Formação Educacional, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (2003), especializou-se em Educação Especial, pelo ISCE, em 2011 (domínio Cognitivo e Motor) e concluiu o doutoramento em História, na especialidade “Representações, poderes e práticas culturais”, pela Universidade Aberta (2019).

Em 2007, deu à estampa o livro Miguel Torga e a PIDE. A repressão e os escritores no Estado Novo, integrado na colecção Minerva-História. Publicou também as seguintes obras literárias Construir sentidos (2012) e Pedra após pedra. A palavra (2019), que assinou com o pseudónimo de Fernando Alva.
Entre 2003 e 2012, leccionou a disciplina de História (3.º ciclo e Ensino Secundário), em Portugal continental e na Região Autónoma dos Açores (Terceira, São Jorge e Pico). Actualmente, é professor de Educação Especial e colaborador do Centro de Estudos Interdisciplinares do século XX da Universidade de Coimbra (CEIS/20).

sexta-feira, fevereiro 07, 2020

MUNDANDAR DE ANTÓNIO AUGUSTO MENANO [APRESENTAÇÃO 14 DE FEVEREIRO, 18 H30, BIBLIOTECA MUNICIPAL] FIGUEIRA DA FOZ



Convite


Lançamento do livro "Mundandar" de António Augusto Menano
Apresentação por António Pedro Pita, Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 

Biblioteca Municipal Santos Rocha, R. Calouste Gulbenkian 70.

Capa de autoria de Rebeca Lacerda Quinteiro.


Sobre o livro:


“INSTANTES PERENES”
«Mundandar», este mais recente livro de António Augusto Menano, é uma obra que, de certa maneira, estava prometida aos seus leitores.
Desde a publicação, em «Tempo vivo» (1963), de um breve ciclo intitulado “Viagens”, a temática instalou-se no centro deste itinerário poético. Desenvolveu-se, depois, num duplo registo: a viagem que existe em mim, uma viagem que eu sou,o trabalho que o indivíduo precisa de fazer sobre si próprio para se tornar, finalmente, o que é; e uma outra viagem que precisa (ou requer) que essa construção de subjetividade ocorra pela mediação efetiva das diferenças (geográficas, culturais, sociais) que só o direto conhecimento do mundo pode proporcionar.
Com a sua fixação em Macau, onde viveu entre 1988 e 1992, e de onde de certo modo nunca regressou, António Augusto Menano alargou extensamente a sua geografia afetiva. Disso foi dando conta na poesia de
«Poemas do Oriente», 1991, «Poemas de Macau», 2007 e «Poemas da Roxa Aurora», 2009 e, na ficção, em «Inominável Segredo», 1993, «Qual o Começo de Tudo Isto?», 1996 e «A Guardiã», 2000. Sem esquecer “Sinais da Cultura Portuguesa no Oriente”, publicado em 2017, uma longa e informada, fragmentada e apaixonada revisão dos modos de presença da história e da cultura portuguesas no Oriente, revisão pelo recurso a “sinais”, que, para cintilarem expressivamente, necessitam mais do olhar do poeta que da atenção do historiador ou do antropólogo.
«Mundandar» é o atlas poético-afetivo do percurso de António Augusto Menano. Sem dúvida, naquele sentido em que assinala lugares de eleição, percursos, aventuras, cumplicidades em muitas latitudes e longitudes os lugares que os viajantes gostam de dizer que conhecem. Mas, acima de tudo, nesse outro sentido concentrado na epígrafe de Paul Valéry: “Há em nós algo de semelhante ao que nos ultrapassa”.
Nos seus melhores momentos – e há nesta obra poemas particularmente belos, intensos, comoventes –, «Mundandar” é o atlas ou a crónica ou fulguração do que, em certas circunstâncias (que se tornam “instantes perenes”), revela o que em cada um de semelhante ao que o ultrapassa. Essa revelação não seria possível sem a viagem.
Por isso, desde os seus inícios obsessivamente sintonizado com várias modalidades da viagem, isto é: da alteridade, o percurso literário de António Augusto Menano há muito trazia em si, como possibilidade iminente, o livro agora editado.
Poemas de viagens ou de viagem? Certamente. Mas, sobretudo, fragmentos (porque só há fragmentos), iluminações dessa funda experiência existencial que é viver (n)aquilo mesmo que nos ultrapassa.
ANTÓNIO PEDRO PITA





ANTÓNIO AUGUSTO MENANO

Personalidade incontornável da Figueira da Foz, de Portugal e  mesmo além fronteiras, António Augusto Menano,  tem uma vasta intervenção cultural, cívica, social e política. Entre outros,  foi distinguido com a Medalha de Prata Dourada da Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz (2011) e a Medalha de Mérito da Cruz Vermelha.



António Augusto Menano nasceu em Coimbra em 6 de Maio 1937. Viveu em Macau durante alguns anos, tendo visitado grande parte dos países do Oriente. Reside actualmente na Figueira da Foz, onde passou a maior parte da sua vida. Frequentou a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra até ao 4º ano, inclusive. Teve várias profissões: agente de seguros, agente transitário, delegadogeral de Publicações Imbondeiro de Angola, leitor e encarregado de
publicidade de Publicações Europa-América, escreveu para a rádio o programa “O Casal Caeiro, conversa acerca de literatura”. Esteve ligado à gestão, nomeadamente hospitalar, à vida política activa (foi vereador da Câmara Municipal da Figueira da Foz, entre 1982 e 1988, ocupando-se de vários pelouros, com destaque para os da cultura, acção-social, acção cooperativa, habitação, cemitérios, transportes e trânsito. Colaborou na generalidade da imprensa cultural portuguesa, revistas e suplementos de cultura e arte, entre os quais, a de A Capital, O Século, Diário de Lisboa, O Primeiro de Janeiro, O Diário, Vida Mundial (crítica de poesia) e Jornal de Notícias onde organizou os
suplementos de homenagem a Ferreira de Castro, e o primeiro, na imprensa portuguesa, dedicado à ficção científica. Escreveu sobre cinema nas revistas: Via Latina, Vértice, Imagem e Celulóide. Dirigiu suplementos literários na imprensa regional cujos primeiros e terceiros encontros co-organizou. Colaborou também na imprensa portuguesa de Macau (Comércio de Macau e Revista de Macau) tem poesia sua traduzida e publicada em mandarim e inglês.
Foram-lhe atribuídos os seguintes prémios: “Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama”, “Prémio Nacional de Poesia Fânzeres”, “Prémio Nacional de Poesia Oliva Guerra”. Menções honrosas nos prémios: “Fernando Pessoa”, “Bocage” e Universitária Editora; Segundo prémio de conto, no concurso “90 anos do Banco Nacional Ultramarino de Macau” em 1992. “Cunca das Artes 2009” da Associação de Amizade e Arte Galego- Portuguesa, de que é sócio honorário.
Dedica-se desde 1985 à pintura tendo exposto em Portugal, Espanha,
França, Estados Unidos e Macau.

quinta-feira, janeiro 23, 2020

CONVITE "AQUILINO RIBEIRO NA DITADURA MILITAR E NO ESTADO NOVO DE SALAZAR" DE RENATO NUNES [LANÇAMENTO NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO HOSPITAL [24 DE JANEIRO, 18H00]




Lançamento do livro “Aquilino Ribeiro na Ditadura Militar e no Estado Novo de Salazar (1926‑1963)” 
de autoria de Renato Nunes

No ano em que se assinalam os 135 anos do nascimento de Aquilino Ribeiro (nasceu a 13 de setembro de 1885) o Município do Carregal do Sal e as Edições MinervaCoimbra promovem na próxima sexta feira, dia 24 de janeiro, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital o lançamento do mais recente livro de autoria do professor Renato Nunes,
Aquilino Ribeiro na Ditadura Militar e no Estado Novo de Salazar (1926-1963)”,
que resulta da tese de doutoramento do autor, defendida em Maio, tendo obtido a classificação de 19 valores.  
A apresentação será feita pelo Professor Doutor Luís Filipe Torgal.
Renato Nunes tem as suas origens associadas ao concelho de Oliveira de Hospital, onde estudou e ao qual continua a estar ligado por laços afectivos e familiares. 


O livro
“Aquilino Ribeiro na Ditadura Militar e no Estado Novo de Salazar (1926‑1963)”, de Renato Nunes, resulta de um projecto 
amadurecido ao longo de 12 anos. O autor analisa o percurso sui generis de um homem que teve como programa de vida
 (o grande sentido da sua existência) ser escritor profissional, num país pouco povoado, marcado por elevadas taxas de 
analfabetismo e onde os direitos de autor eram quase uma miragem. Numa época (Ditadura Militar e Estado Novo) marcada 
pela censura e pela repressão.
A representação, do autor, desse percurso de Aquilino Ribeiro pretende afirmar‑se como mais um contributo para desvendar a vida de um mestre lido, admirado e recomendado, até mesmo por António de Oliveira Salazar, como de resto se comprova pelas palavras que o ditador proferiu ao jornalista francês Frédéric Lefèvre: 
“Comece o seu inquérito por Aquilino. É um inimigo do regime. Dir-lhe-á mal de mim, mas não me importa: é um grande escritor”. 
Este livro é o n.º 30 da colecção Minerva-História, da MinervaCoimbra, dirigida pelo Prof. Doutor Luís Reis Torgal. Na mesma colecção,  Renato Nunes publicou em 2007, "Miguel Torga e a Pide – a repressão e os escritores no Estado Novo".

O Autor
Renato Nunes nasceu em Lille, França (3/7/1980), mas passou grande parte da sua infância e adolescência em Vila Franca da Beira, no concelho de Oliveira do Hospital. Licenciou-se em História, Ramo de Formação Educacional, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (2003), especializou-se em Educação Especial, pelo ISCE, em 2011 (domínio Cognitivo e Motor) e concluiu o doutoramento em História, na especialidade “Representações, poderes e práticas culturais”, pela Universidade Aberta (2019).
Em 2007, deu à estampa o livro Miguel Torga e a PIDE. A repressão e os escritores no Estado Novo, integrado na colecção Minerva-História. Publicou também as seguintes obras literárias Construir sentidos (2012) e Pedra após pedra. A palavra (2019), que assinou com o pseudónimo de Fernando Alva.
Entre 2003 e 2012, leccionou a disciplina de História (3.º ciclo e Ensino Secundário), em Portugal continental e na Região Autónoma dos Açores (Terceira, São Jorge e Pico). Actualmente, é professor de Educação Especial e colaborador do Centro de Estudos Interdisciplinares do século XX da Universidade de Coimbra (CEIS/20).