quarta-feira, novembro 28, 2007

Epidemia do século XXI



A Livraria Minerva promoveu mais uma sessão das Terças-Feiras de Minerva, desta feita dedicada ao tema da Diabetes, no âmbito da passagem de mais uma Dia Mundial da Diabetes, a 14 de Novembro.

A sessão esteve a cargo de Manuela Carvalheiro, Directora do Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo dos Hospitais da Universidade de Coimbra, que alertou para o facto de cerca de 10% dos portugueses serem diabéticos.

A diabetes, referiu a especialista, é a epidemia do século XXI, juntamente com a obesidade, à qual, aliás, está muitas vezes associada. “Morrem mais pessoas em todo o mundo de diabetes do que de sida”, salientou Manuela Carvalheiro.

O sedentarismo, o excesso de peso e a crescente falta de cuidado com a alimentação são três das principais causas para o surgimento e crescimento da doença nas últimas décadas, especialmente em crianças.





O crescimento anual da diabetes tipo 1 é, nas crianças, de 3%, aumentando nas idades pré-escolares para 5%. Estima-se que, anualmente, 70.000 crianças abaixo dos 5 anos desenvolvam diabetes tipo 1, o que significa 200 crianças/dia. Das 440.000 crianças com idade igual ou inferior a 14 anos, estimam-se que, 25% residam no continente Asiático e 20% na Europa.

Pensa-se também que a incidência global da diabetes tipo 2 nas crianças, situação até há poucos anos apenas existente na idade adulta, poderá aumentar 50% nos próximos 15 anos, caso não sejam instauradas medidas de prevenção, como modificações no estilo de vida, promoção de uma alimentação saudável e aumento da actividade física.

Em 2007, em todo o mundo, mais de 246 milhões de pessoas sabem ser diabéticas (6% da população mundial dos 20 aos 79 anos), estimando-se que em 2025 mais de 380 milhões terão diabetes (7,3%). Por outro lado, em 2007 mais de 308 milhões sabem ter uma diminuição da tolerância à glicose — situação de hiperglicemia intermédia entre o normal e a diabetes — e prevê-se que em 2025 mais de 418 milhões venham a saber ter esta situação.

A sessão contou com a presença de Carlos Costa Almeida, cirurgião vascular no Hospital Geral do Centro Hospitalar de Coimbra (Hospital dos Covões), autor e coordenador do livro "Pé Diabético. Recomendações para o diagnóstico, profilaxia e tratamento", editado pelas Edições MinervaCoimbra.


PÉ DIABÉTICO
Recomendações para o diagnóstico, profilaxia e tratamento

Carlos Costa Almeida
Cirurgião geral e vascular; Director de Serviço do Centro Hospitalar de Coimbra; Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Regente da Cadeira de Cirurgia Vascular

Álvaro Pratas Balhau
Cirurgião geral e vascular; Assistente Graduado do Hospital de Santa Maria Maior (Barcelos)

Carlos Pereira Alves
Cirurgião geral e vascular; Director de Serviço do Hospital dos Capuchos (Lisboa); Professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa

José Neves
Cirurgião geral e vascular; Assistente Graduado do Hospital dos Capuchos (Lisboa)

Mateus Amado Mendes
Cirurgião geral; Director de Serviço do Hospital de Santo André (Leiria)

Luís Filipe Pinheiro
Cirurgião geral; Chefe de Serviço do Hospital de S. Teotónio (Viseu)

Aida Paulino
Cirurgiã geral; Assistente Hospitalar do Hospital Amato Lusitano (Castelo Branco)

Estas recomendações sobre Pé Diabético destinam-se a todos – médicos, enfermeiros, podologistas, fisioterapeutas – que lidam no seu dia a dia profissional com este flagelo social, bem como aos próprios doentes diabéticos.
São recomendações objectivas, de carácter essencialmente prático, respostas a perguntas muitas vezes feitas, mas assentes em algumas páginas de natureza teórica sobre a diabetes e a fisiopatologia desta sua complicação. Num pequeno texto pretende-se dar uma visão global, concisa mas eficaz, do problema tal como ele é visto pelos autores no momento actual.

Sem comentários: