sexta-feira, dezembro 19, 2008

Lançamento: IMAGENS QUE OS VINHOS DÃO





A propósito das “Imagens que os vinhos Dão”

Começo a escrever e a primeira coisa que me ocorre é uma interrogação: - O que haverá de comum entre vinho e fotografia?
E de facto há.
Um bom vinho e uma boa fotografia são ambos consequência de paixão pelo ofício.
De saber esperar também.
De estar atento a sinais e pormenores que outros não vêem.
De intervir no momento certo.
De cuidar de muitos detalhes até ao produto acabado.
Por uma boa fotografia poderá haver uma longa espera mas, para chegar a um bom vinho, a espera são anos.
Merece portanto respeito.
Em ambos o apreciador decidirá do que mais, ou menos, gosta.
No entanto, se existir qualidade, ela será inquestionável independentemente das afinidades de cada um.
Um novo projecto fotográfico, como um novo vinho, são sempre um percurso de sensações novas, de descoberta.
Assim foi, para mim, este desafio lançado pela Confraria dos Enófilos do Dão.
Embora decorrendo numa região do pais que me é familiar por se estender até à vila onde nasci, levou-me a redescobri-la, e a vivê-la, em múltiplos detalhes e recantos por onde já antes passara sem “ver”. A descobrir muito de novo também.
Levou-me a olhar com outros olhos uma actividade apaixonante e as gentes que dela cuidam.
O projecto fotográfico desde a sua definição inicial tinha como objectivo conseguir, através de imagens, fazer viajar o espectador pela belíssima região do Dão, conduzido pela mão da actividade vitivinícola.
Creio que o título “Imagens que os vinhos Dão” traduz essa intenção da melhor forma.
Concretizar em imagens essa vontade foi o que procurei fazer neste trabalho. Julgo que o consegui, mas esta é a eterna dúvida do autor.

José Maria Pimentel
Costa Nova do Prado – Ílhavo, 03/07/2008



José Maria Pimentel nasceu em Coja em 1953. Trabalha como fotógrafo freelancer. Dedica-se desde a juventude à pintura e escultura.

A partir de 1972 estuda fotografia em Paris no Centre d’Enseignement et Perfectionnement Photographique Professionel. Regressa a Portugal em 1974 e, até 1982, trabalha no cinema profissional português como assistente de produção e realização e como fotógrafo de cena, integrando nesse ano o projecto de uma cerâmica decorativa em Coja, como responsável técnico e artístico.

A fotografia não pára entretanto e as imagens vão-se juntando em arquivo. Mantém, porém, a sua actividade de pintura e escultura, executando nomeadamente um painel-escultura para o Banco Pinto & Sotto Mayor (hoje exposto nos Paços do Concelho de Oliveira do Hospital).

Em 1999 regressa à fotografia como actividade principal, iniciando nesse ano uma foto-reportagem sobre a vida de Monsenhor Nunes Pereira, padre e artista, que fora seu mestre de gravura, trabalho editado em Setembro de 2001 pelas Edições MinervaCoimbra.

Entre Maio e Julho de 2000 dá a volta ao mundo como navegador e fotógrafo da única equipa portuguesa participante num rali para carros clássicos. Desta viagem resultam duas exposições apresentadas em diversos países europeus.
Premiado pela revista Visão em 2002 e 2003, está representado na colecção de fotografia do escritório de advogados PLMJ, colecções particulares e tem diversos outros trabalhos publicados.

O acervo do Museu Nacional de Machado de Castro em Coimbra inclui a sua escultura em pedra de Ançã “O Pensador”.

Sem comentários: