sexta-feira, dezembro 21, 2007

O livro dos beijos



As Edições MinervaCoimbra lançaram mais um volume da Colecção Poesia Minerva, dirigida por José Ribeiro Ferreira, desta vez o livro “Mil Vezes Mil Beijos. O livro dos beijos”, de Jean Everaerts, com introdução, tradução do latim e notas de Carlos Jesus.

“No início do século XVI, período caracterizado por um forte fascínio pelos textos clássicos, houve um poeta que, mais do que qualquer outro, dedicou ao tema do beijo grande parte da sua musa”, refere Carlos Jesus. Efectivamente, “colhendo inspiração no latino Catulo, Jean Everaerts compôs todo um livro a que se deu, após a sua morte, o sugestivo nome de Basorium Liber (O Livro dos Beijos)”.

Neste livro, explica ainda Carlos Jesus, o seu tradutor, “cada poema elegíaco representa, intencionalmente, um beijo, uma modalidade de beijar, uma reflexão diferente sobre o tocar mais ou menos apaixonado, mais ou menos violento de dois lábios ardentes de paixão”.

Em Jean Everaerts “o beijo é o veículo para a paixão e para o amor, para o prazer sexual ou para a simples contemplação da amada. Ele está presente em todos os poemas, sendo ora um ponto de partida, ora um fim, ora mesmo algo que a início é negado para aumentar o prazer quando, finalmente, tal beijo for consumado”.

José Ribeiro Ferreira, que apresentou a obra, recorda que Everaerts utiliza vários termos para designar o beijo. “Usa os termos basium “beijo”, suaviolum “beijinho”, mais terno, e ainda osculum o beijo mais inocente”. Depois há ainda o beijo platónico e o beijo enquanto sopro de vida. O poeta chega mesmo a dissertar sobre “o número de beijos que devem ser trocados entre os amantes, uma vez que já se deram bis mille basia (duas vezes mil beijos)”, refere ainda o professor de Estudos Clássicos.

Para José Ribeiro Ferreira, Jean Everaerts é um “exímio poeta erótico”, opinião partilhada por Carlos Jesus, que considera o seu erotismo “sugestivo, tantas vezes sinestésico”. Mas Everaerts distingue-se ainda pela expressividade, pela ousadia e pela qualidade do verso latino, de que é um exímio cultor.

No final da sessão, Amélia Campos e Miguel Sena, do grupo Thíasos da FLUC, leram alguns dos poemas de “Mil Vezes Mil Beijos”.

Carlos Jesus está neste momento a realizar um doutoramento em literatura grega na Universidade de Coimbra e tem já cerca de duas dezenas de trabalhos publicados. Tem também desenvolvido trabalho no âmbito do teatro clássico, sendo actor e encenador do grupo Thíasos da FLUC.











Sem comentários: