quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Escola Universitária das Artes de Coimbra lança revista de arquitectura



O Departamento de Arquitectura da Escola Universitária das Artes de Coimbra apresentou esta semana, na Livraria Minerva, o número zero da revista A, com direcção editorial do arquitecto José Manuel Pedreirinho, para quem a “publicação da A é um modo de expressão, propondo-se como atitude, reflexo teorético e crítico de uma nossa prática, tribuna aberta a todas as colaborações e, também, às externas”.



Integrada numa escola que desde sempre “privilegiou a praxis ao debate estritamente técnico e formal, a A será um incentivo a contaminações entre diversas áreas do conhecimento, de um território metodológico que faz da cidade o seu leit-motiv agregador” e “muito mais do que veículo de suporte à divulgação do trabalho feito, pretendemos que a A seja sobretudo um incentivo para os debates que todos sentimos ser absolutamente necessário fazer”.



O termo revista é também algo que desagrada ao director da A. “A nossa ideia é que tenha um tempo de vida que seja mais longo que o da revista, no sentido da revista como expressão da actualidade, mas antes como algo que tenha uma duração, no tempo, maior”.



Os números serão por isso temáticos, prendendo-se com reflexões que tenham a ver com o dia a dia, mas sob a perspectiva de problemas mais prolongados. Ou seja, “como estrutura monográfica que é, propõem-se tematicamente reflexos de experiências e temas do passado colectivo e de futuros onde a Escola contribui como formadora, investigadora, ou meramente enquanto corpo pedagógico, analista e crítico de momentos”.



Neste número zero os seus autores quiseram reflectir na Margem – “um tema que caracteriza também de algum modo o que tem sido o percurso da EUAC, que nasceu de vontades e percursos em vários aspectos marginais, mas que aqui se prolonga na marginalidade dos programas, na marginalidade geográfica, uma marginalidade que é também a dos temas e que, inevitavelmente, se reflecte nas metodologias desenvolvidas”.




“À Margem” estão assim os trabalhos de Nuno Portas - “Programa favela-bairro”, André Luz Pinto - “Participação e planejamento”, Dijon de Moraes - “Manifesto darazão local”, Madalena Cunha Matos - “Crianças, castelos e clareza”, Bartolomeu Costa Cabral - “Grupo escolar e balneário do castelo”, Manuel de Solà-Morales - “Bairro de la Sang”, Armando Azevedo - “O centro nas margens ou o paraíso da arquitectura”, Salomé Marcelino - “Cidade ilegal” e Cecília Loshiavo - “Homeless”. A revista integra ainda um dossiê intitulado “Regeneração urbana na cidade existente”, que integra trabalhos realizados por vários alunos da EUAC. São eles Rita Cordeiro - “Hotel para artistas em Buarcos”, Cátia Ramos - “Hotel para artistas em Buarcos”, Ana Alves - “Escola das artes do espectáculo em Coimbra” e João Paulo Conceição - “Cindarelas”. Há ainda espaço a um concurso de fotografia da A e um texto de Luís Fontes sobre “Acupunctura urbana”. Teresa Ribeiro Bento assina o design gráfico.



Paralelamente, está patente na Galeria Minerva a exposição de fotografia de Cecília Loshiavo que integra a revista, intitulada “Homeless”, e que poderá ser visitada até ao próximo dia 6 de Fevereiro, das 10 às 13 e das 14.30 às 20 horas, incluindo sábado.

Sem comentários: